18 de dezembro de 2016

Nova Directiva EU GDPR

Dado que esta diretiva tem com entrada em vigor 2018, muitas organizações estão neste momento a alterar os sistemas de informação e comunicação para responderem a esta diretiva.

Âmbito da directiva:
  • "Breach Notification" - Violação de dados de pessoais e a necessidade de comunicar com as pessoas num prazo de 72 horas.
  • Right to Access - Direito de acesso por parte do indivíduo aos seus dados, podendo pedir uma cópia de dados detidos pela organização
  • "Right to be forgotten" - Direito a ser esquecido pedindo para a eliminação dos seus dados pessoais
  • "Data Portability" - O direito de pedirem que os seus dados pessoais, sejam transmitidos a outra entidade 
  • Privacy by Design - A implementação por defeito em todos os projectos da organização e não um acrescento.
  • Data Protection Officers ( Ter recursos humanos que fiquem e registem e mantenham e que estão na dependência do topo da hierarquia mais elevada na organização)
  •  Consentimento por parte de quem dá as informações pessoais deve ser numa linguagem clara e sem "legalês"

Multas de 1% a 4%  da receita da organização até ao máximo de 20 Milhões de euros o máximo que for estabelecido primeiro.

Fontes:


Saiba mais em 

19 de outubro de 2016

Visualização de dados de Marketing Digital com o Microsoft Power BI

A visualização de dados é necessário para uma visão mais detalhada e que possa ser partilhada por todos aqueles que estão inseridos na área da gestão.

Uma boa apresentação segue os condimentos de uma boa história, neste caso este é um pequeno exemplo em que retira a informação do Google Analytics.

Como se diz é preciso tempo para construir uma boa história, que é um bem sempre escasso. 

Esta ferramenta da Microsoft Power BI, segue a máxima do freemium, mas que neste caso serve o proposito, se precisar de mais valências do nível empresarial, vou necessitar de comprar este serviço.

Ferramentas de visualização, são coisas que não faltam felizmente, mas o importante é saber o que construir e qual a finalidade!




Nota: Não tenho relações contratuais com o Google e com a Microsoft a data deste post. A opinião que expresso é no sentido de educar

26 de maio de 2016

Novidades do Google Firebase e Firebase Analytics & Google Adwords

Novidades da Google está semana foram "espetaculares", no meu ponto de vista com a apresentação do Firebase & novidade no Google Adowrds


Firebase & Firebase Analytics a plataforma para Apps Android, iOS e Web 


O Firebase é a nova plataforma para desenvolvimento de Apps e no seu núcleo central está 
Firebase Analytics que é gratuito ! 

- o Firebase vai abranger :

  • Ambiente de desenvolvimento das App's iOS e Android
  • Segurança através da autenticação e SSL
  • Armazenamento e alojamento na cloud da Google 
  • Base de dados
  • Configuração remota ( sem efetuar "deploys" de uma nova versão)
  • Testes
  • Reporting de erros
  • Sistema de Notificações 
  • Indexação da App (no Google S.E.O.)
  • Partilha da aplicação simplificada
  • Links dinamicos e internos ( i.e colocar o utilizador dentro da aplicação num determinado ecrã )
  • Integração com a publicidade em campanhas do Adwords e do Admob
  • E  Firebase Analytics

recomendado: ver este video https://www.youtube.com/watch?v=tb2GZ3Bh4p8


 Ver o video de apresentação do Firebase

Firebase Analytics


 ver descrição da introdução do firebase Analytics


Ver o video de apresentação https://youtu.be/iT6EaIwtonY


Em resumo uma única plataforma que cobre o ciclo de vida de uma aplicação com olhos na audiência e nas suas ações e analisar que campanhas tem mais sucesso, agora de uma forma mais simples.

  • Novidades Google Ads & Analytics 

Alterações no Google Adwords com o redesenho dos anuncios do adwords para o Google Maps para responder aqueles momentos em que o utilizador procura por um bem / serviço perto de si




Os anuncios estão pensados para todos os tipos dispositivos e os anuncios são responsive também.
No Google Display Network (aka GDN)

Esta novidade do "Similar Audience for Search" para retargeting do GDN , assim como a segmentação demográfica.

O DataStudio 360 foi apresentado com uma pequena demo

Veja aqui a pequena demo do Datastudio





19 de maio de 2016

Novo diagnóstico para websites para Smartphones no Google Search Console


Recurso renovado da  Google para testar e validar sites para smartphone. Poderá fazer ao seu webiste através deste link: https://search.google.com/search-console/mobile-friendly

Este recurso é valioso porque os sites vão sendo alterados de forma dinâmica e no fundo nunca estão prontos é preciso estar em "cima" para ter tudo otimizado.

Resultados para smartphones do website da IT Tech BuZ


Depois de abril de 2015 o Google ter dado o sinal que priorizava os sites que eram "mobile friendly" , agora renovou e atualizou o seu diagnostico


Originalmente publicado em :

https://webmasters.googleblog.com/2016/05/a-new-mobile-friendly-testing-tool.html

3 de maio de 2016

Customer Experience - O que é ? ( analisado pelo prisma da data-driven digital maketing )

Customer Experience - O que é?

Analisado pelo prisma do data-driven digital marketing

A definição de “customer experience”, como nome indica, está na experiência em cada ponto de contato em que o cliente, ou potencial cliente, interage com a organização.
Em cada canal "on" ou "offline", embora cada vez mais se olhe este paradigma de forma integrada. 
O "Ominichannel" ( aka diferentes tipos de canais e não só os tradicionais como a TV,  telefone (IVR) , email e presencial) que permite ao cliente a verdadeira flexibilidade em escolher o seu canal de preferência para cada tipo de contacto.

Vamos usar o exemplo ligado a área do turismo através das unidades hoteleiras em resorts e estas têm 3 fases (simplificando) antes, durante e depois da sua estada na sua unidade hoteleira. Estas unidades de negócio tem uma vantagem competitiva, a vantagem de que os seus clientes que passam pelos seus quartos, têm uma experiencia que inclui a dormida. Quantos negócios tem esta oportunidade? Poucos diria eu.

Multi dispositivos

Depois da sua conversão em clientes após a sua reserva, os pontos de contacto passam por:
  • Email

Email enviado ao novo, ou o cliente que retorna (o cliente que retoma temos a vantagem das suas preferências e das suas experiencias), as taxas de abertura destes emails são importantes para preparar o cliente para a sua experiência.  Os fluxos devem ser diferentes para diferentes tipos de personas. Vejamos as métricas importantes:
  • Taxa de abertura
  • Taxa de entrega
  • CTR (abertura e clique)
  • Nº de pessoas que não querem receber emails ("aka unsubscribe")

  • Website

O website deve estar pensado para o cliente, ou potencial clientes, deve ter resposta para as suas diferentes fases e personas. Deve ser simples de navegar, assim como preparado para todos os equipamentos usados, assim como clientes com necessidades especiais.
Algumas métricas poderão ajudar a avaliar o que está a correr bem e menos bem, mas não se esqueça do contexto. Neste caso as métricas  e indicadores importantes poderão ser :
  • Tempo médio de sessão
  • Taxa de rejeição (aka bounce rate)
  • Tráfego - Taxa de crescimento 
  • Taxa de conversão 
Entre outras métricas e indicadores...

  • App

A App como está presente no bolso do nosso cliente, teremos de ter a App para responder a todas as fases, assim como a fidelização e a repetição da experiência, temos muito mais informação e desta forma poderemos dar mais conteúdos adequados.
No caso da análise poderemos a reação às mensagens, assim como a taxa de retenção entre download e instalação corrente, entre elas:
  • Nº de instalações
  • Rácio entre instalações efetuadas e instalações ativas
  • Nº de utilizadores ativos
  • % de perda de utilizadores
  • Nº de ecrãs por sessão
  • Taxa de resposta as campanhas

  • Redes Sociais

As interações nas redes sociais têm de ser adequadas ao contexto da própria rede social e a perceção do utilizador e potencial cliente. É importante perceber o “driver” da interação pois não só de contar histórias ao cliente é suficiente, dados que os consumidores de hoje, consideram um canal de comunicação para apoio ao cliente. É importante perceber que os “fans” e seguidores tem o perfil que pertence aos personas da organização/entidade/marca. As métricas mais importantes são:
  • Alcance
  • Nº de fans/seguidores
  • Interação com o nosso conteúdo
  • % de trafego que direciona para o website e/ ou App.
  • Mensagens iniciadas pelos fans/seguidores

29 de fevereiro de 2016

Inquérito A Gestão do Marketing Digital através da performance da #Analítica #Digital

Este é um pequeno estudo que queremos fazer para perceber a maturidade e a necessidade de medir a performance do marketing digital, através da analítica digital.
A analítica digital deve ser envolvida no inicio do projeto, para que os benefícios dos resultados sirvam a estratégia.

17 de fevereiro de 2016

O que é o “Customer Journey ? (olhado pelo prisma da Analítica Digital)

O que os Marketers precisam de saber no “Customer Journey” ?


A sua definição passa por desenhar um mapa que permite conhecer o cliente e os seus “touch points”, que usa para interagir com a empresa, existem diferentes etapas para diferentes objetivos que o cliente utiliza.

Imagem no Flickr de Joe the Goat Farmer
As etapas são caminho que o cliente faz para chegar à compra (mas não só da compra), há que distinguir dos processos de venda complexos, existentes no B2B, ou invés, estamos a falar claramente do consumidor final.

Existência da necessidade (básica ou complexa) é o primeiro passo para as entidades preparem os seus produtos e serviços, para serem os escolhidos pelos seus consumidores. Por este motivo, torna-se necessário conhecer melhor o nosso consumidor, numa vertente de 360 graus, isto é, para além dos aspetos demográficos, é necessário saber:
  • Valores socioeconómicos
  • Identidade cultural
  • Localização
Exemplo: Para software baseado na Cloud para Backup’s online

Personas


Ele: Está na casa dos 30 anos gosta de futebol e é do Belenenses, é louro e tem 1,70 m é casado e tem 1 filho. Trabalha como engenheiro informático numa multinacional de sistemas de informação. O seu passatempo preferido é ver o Belenenses no seu estádio, gosta também de viajar para destinos muito solarengos.



Ela: Também está na casa dos 30 gosta de desporto (não gosta de futebol), é morena e tem 1,68m é casada e tem um filho, trabalha na área dos serviços e dirige uma equipa de apoio ao cliente e gosta muito de viajar e de fotografar, pratica desporto todos os dias (sempre que pode).

Sabendo estes dados, construímos “personas” para interagir nos diferentes canais de comunicação e nas diferentes etapas.

Mais sobre Personas em inglês no Blog do David Meerman Scott

“Customer Journey” – Etapas & “touchpoints”


Estas etapas são identificadas para cada objetivo, seja para subscrição de um software (“cloud based”), seja para outro tipo de subscrição, não podemos de deixar incluir o apoio ao cliente.

  • Pesquisa
Na pesquisa queremos ser encontrados por atributos que as nossas personas querem, assim, como avaliar qual o estímulo certo para passarem à próxima etapa, os conteúdos são extremamente importantes e os sinais de confiança são fundamentais, para que o consumidor esteja confiante em dar o próximo passo.

  • Educação
Queremos educar o consumidor para tirar o máximo proveito do produto ou serviço, se conseguirmos passar toda a informação e conhecimento ao consumidor, que terá de ser num português simples e corrente. 

  • Seleção
Nesta etapa o consumidor seleciona qual o melhor produto/serviço que encaixa com a sua necessidade e com o conhecimento adquirido na etapa anterior.

  • Compra
A compra poderá ter sido desencadeada através de uma promoção que recebeu via SMS ou email no smartphone, que depois foi à “landing page” da campanha, esta foi personalizada na mensagem, preço e condições de entrega, a etapa seguinte chegou a casa, fez a mudança de dispositivo para o tablet e concluiu a compra, usando o meio de pagamento que não utiliza com frequência o cartão de credito, ou invés da referência multibanco.

Em cada a etapa, vamos conhecendo melhor o nosso consumidor através dos vários “touch point”, que este interage com os nossos colaboradores e canais de comunicação.


Avaliando o comportamento de cada perfil do consumidor poderemos personalizar as ofertas e desta forma poderemos aumentar a satisfação do consumidor, do colaborador e do acionista.



partilha com os teus

Pin It

Mensagens populares